Inicio / Além da escola Além da escola 22 de junho de 2022

História do Cinema Brasileiro

Redação Estudo em Dia
Redação Estudo em Dia

Equipe apaixonada por educação, produzindo conteúdos focados em alunos que buscam uma melhor rotina de estudos e preparação para o vestibular!Publicado em . | Atualizado em 22 de junho de 2022.


Você saberia dizer em qual cidade ocorreu a primeira exibição de cinema no Brasil? Se você ainda não sabe, fique tranquilo! Preparamos este artigo para te contar a história do cinema brasileiro e algumas recomendações das nossas produções audiovisuais. Spoiler: o cinema feito no Brasil tem muita qualidade, originalidade e diversidade, merece ser muito valorizado e precisa de mais investimentos. Continue a leitura e aprenda mais sobre o cinema brasileiro!

O que você vai encontrar neste artigo:

  • História do cinema brasileiro
  • Cineastas nacionais que você precisa conhecer

História do cinema brasileiro

O cinema, que a maioria das pessoas adora, surgiu no final do século XX, e esse feito é atribuído a Auguste e Louis, mais conhecidos como irmãos Lumière. Em 1895, os irmãos Lumière inventaram um aparelho, chamado cinematógrafo, que tornou possível a reprodução de pequenas filmagens em telas. Essa invenção permitiu que salas de cinema fossem construídas em todo o continente europeu, e a primeira película exibida foi Saída dos Trabalhadores da Fábrica Lumière.

A invenção chegou ao Brasil poucos meses depois da primeira demonstração pública do funcionamento de um cinematógrafo. Em 8 de julho de 1896, aconteceu a primeira sessão de cinema no Brasil. Essa sessão aconteceu na Rua do Ouvidor, no Rio de Janeiro, exibindo pequenos filmetes que traziam filmagens de cidades europeias.

Assim foi o ponto de partida para o cinema brasileiro, e, uma vez que essa novidade chegou, as primeiras filmagens começaram a ser realizadas. Para isso, eram necessárias filmadoras, e as primeiras do tipo também chegaram ao nosso país na década de 1890. As primeiras filmagens realizadas no Brasil foram feitas por Vittorio di Maio, Afonso Segreto e José Roberto Cunha Salles.

Atualmente, considera-se que o primeiro filme gravado no Brasil foi Chegada do Trem, em Petrópolis, no ano de 1897. Esse filme, supostamente gravado em uma estação de Petrópolis, mostra um trem que carregava o presidente Prudente de Morais. Muitos questionam a legitimidade dessa filmagem, alegando que pode não ter sido gravada aqui, mas sim na Europa.

Outra filmagem muito importante foi realizada por Afonso Segreto quando ele retornava de viagem da Europa, em 1898. Afonso Segreto era o responsável pela aquisição de filmes para exibição em um cinema do Rio de Janeiro. Em uma dessas viagens, ele trouxe uma filmadora ao Brasil e, quando chegou, gravou Uma Vista da Baía de Guanabara.

Essa filmagem aconteceu em 19 de junho de 1898, e, devido a essa gravação, o Dia do Cinema Brasileiro passou a ser celebrado nessa data. Contudo, ainda há um mistério, pois, nenhuma cópia desse filme foi preservada, o que faz com que a sua existência seja questionada até hoje.

A história do cinema brasileiro é significativa e pode ser dividida em épocas muito distintas, que, de certa forma, moldaram as produções nacionais ao longo de mais de um século da sétima arte no país. Em nossa historiografia cinematográfica, esses períodos incluem os primeiros filmes e o domínio de Hollywood, o surgimento do cinema sonoro, as chanchadas, o Cinema Novo e o “udigrúdi”, a Embrafilme, a crise dos anos 1980, a Retomada e a Pós-Retomada.

Depois dessa primeira exibição, o país construiu uma história cinematográfica rica e variada, que atravessou muitas fases e conquistou reconhecimento ao redor do mundo. Ao longo de seus diferentes períodos históricos, as obras cinematográficas brasileiras acompanharam e incorporaram influências do contexto social, econômico, cultural e político do país.

Apenas mais investimento e reconhecimento da produção nacional é o que o cinema brasileiro precisa, pois, de resto, não faltam trabalhadores incríveis e completamente competentes para representar o Brasil para o mundo no que diz respeito à produção audiovisual.

As cineastas nacionais que você precisa conhecer

Lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive no cinema. As mulheres possuem um papel significativo no cinema brasileiro, são inúmeras as diretoras e produtoras que superaram o domínio masculino do espaço e fizeram histórias com obras essenciais para entender e representar a cultura do Brasil. Por isso, compartilhamos a lista elaborada pelo Rafael Monteiro, mulheres pioneiras do cinema brasileiro. Confira:

Adélia Sampaio

A primeira diretora de ficção negra do Brasil. Em 1984, marcou época ao lançar Amor Maldito, filme que abordava muitos tabus da sociedade na época – e, por isso, até hoje é lembrado como um marco do cinema nacional. A trama mostra um caso de amor lésbico que acaba sendo discutido na Justiça após um suicídio.

Ana Carolina

Quando falamos de cinema autoral brasileiro, não podemos deixar de citar o trabalho de Ana Carolina. Com cenas marcadas pelo excesso, com gritos e situações absurdas, ela produziu algumas das obras mais anárquicas do nosso país. Foi responsável pela trilogia da emancipação feminina, formada pelos clássicos Mar de Rosas (19878), Das Tripas Coração (1982) e Sonho de Valsa (1987).

Cléo de Verberena

Cléo de Verberena é a primeira diretora do Brasil. Depois de começar a carreira como atriz, ela virou cineasta após fundar com o marido, Cesar Melani, o estúdio Epica Films. Ela dirigiu e estrelou O Mistério do Dominó Preto (1931), mas acabou desistindo de terminar o seu segundo filme, Canção do Destino, após a morte precoce de Melani, em 1934.

Helena Solberg

Para entender a produção nacional, é preciso conhecer o Cinema Novo – e a única mulher participante do movimento. Helena Solberg se tornou bastante celebrada com o curta A Entrevista (1966), quando misturou elementos dos documentários com a ficção ao acompanhar uma noiva no dia de seu casamento.

Lucy Barreto

Lucy Barreto é uma das produtoras que ajudou a criar o cinema nacional que conhecemos. Com mais de 70 produções no currículo, ela trabalhou em clássicos como Bye Bye Brasil (1980), de Cacá Diegues, e Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976), do seu filho, Bruno Barreto. Além disso, contribuiu com dois indicados ao Oscar: O Quatrilho (1995), de outro dos seus filhos, Fábio Barreto, e O que É Isso, Companheiro? (1997), também de Bruno Barreto.

Tereza Trautman

Uma das poucas cineastas brasileiras dos anos 1970, Tereza Trautman comprou briga com a ditadura militar com obras abertamente feministas. A mais famosa delas, Os Homens Que Eu Tive (1973), foi censurada por anos por mostrar uma mulher sexualmente livre numa trama de amor livre.

Viviane Ferreira

Marcou o seu nome na história ao se tornar a segunda diretora negra a dirigir um longa-metragem no Brasil com Um Dia Com Jerusa (2020), um filme – derivado de um curta de Ferreira com o mesmo título – sobre o encontro de duas gerações de mulheres negras, ambas lutando contra a solidão em ambientes urbanos.

Você já conhecia a história do cinema brasileiro e as incríveis cineastas que fazem parte desse legado? Não deixe de compartilhar este artigo com quem quer aprender mais sobre a sétima arte, parte fundamental da história e cultura de qualquer sociedade!

Call To Action

Detalhe do Call To Action para Download do Material

Deixe uma resposta

Copy link
Powered by Social Snap

Seu futuro começa aqui

Cadastre-se já e não perca nenhuma dica!