9 de agosto de 2021

Os Jogos Olímpicos e a Educação: muito além da medalha de ouro

Redação Estudo em Dia
Redação Estudo em Dia

Equipe apaixonada por educação, produzindo conteúdos focados em alunos que buscam uma melhor rotina de estudos e preparação para o vestibular!Publicado em . | Atualizado em 9 de agosto de 2021.


Descubra como o esporte, os Jogos Olímpicos e a Educação se complementam desde as origens na Grécia.
13 minutos para ler

Os primeiros registros históricos das Olimpíadas datam de 776 antes da Era Cristã, ou seja, quase 3 mil anos atrás. Dentro do conjunto de cidades estado da Grécia antiga, os jogos aconteciam em Olímpia, lugar que deu origem ao nome do evento. Geralmente, eram disputados durante o período de trégua entre uma guerra e outra.

Tudo começou com o atletismo na forma de corridas. Em algumas provas, por exemplo, era necessário percorrer 190 metros vestido com armadura de soldado. Uma das modalidades mais nobres era o pentatlo, competição que reunia esportes como salto, lançamento de disco, lançamento de dardo, corrida e luta. Também eram realizadas disputas de bigas, que eram carros de combate puxados por cavalos.

Depois de muitas edições realizadas, os Jogos da Antiguidade foram abolidos em 393 d.C. pelo imperador romano Teodósio I. Agora vem uma dúvida importante: se eles foram proibidos de acontecer, como temos as Olimpíadas sendo organizadas nos dias de hoje? Continue lendo e descubra!

O que você vai encontrar nesse artigo?
Com quem tudo começou?
O que é Olimpismo?
Jogos Olímpicos da Juventude
Esporte como agente de inclusão

Com quem tudo começou?

Nascido em Paris, em janeiro de 1863, Pierre de Frédy era membro de uma família aristocrática, por isso se tornou mais conhecido com o seu título de nobreza: Barão de Coubertin. Ele foi pedagogo e historiador, mas entrou para a posteridade definitivamente como o idealizador dos Jogos Olímpicos da era moderna.

A partir da intenção de reformar o sistema educacional da França, Pierre de Coubertin reconheceu no esporte, sobretudo nos ideais olímpicos gregos, uma fonte de inspiração para aperfeiçoar o ensino e alcançar melhores resultados nas escolas.

Em 1892, na Universidade de Sorbonne em Paris, Coubertin fez a apresentação de seu  estudo sobre os benefícios dos exercícios físicos no mundo moderno. Na mesma ocasião, também manifestou o desejo de reviver os Jogos Olímpicos.

O sonho do Barão de Coubertin de aproximar os povos através do esporte demorou mais algum tempo para se concretizar. Os primeiros Jogos Olímpicos da era moderna foram disputados em 1896, trazendo de volta os ideais do Olimpismo como um estilo de vida associado ao esporte, à cultura e à educação.

O que é o Olimpismo?

Herdada dos Jogos Olímpicos da Grécia Antiga, o Olimpismo, ou a filosofia olímpica de viver, valoriza um estilo de vida onde existe a alegria do esforço físico e o respeito entre os cidadãos. É utilizar o esporte como instrumento para a promoção da paz, da união e do respeito por regras e adversários.

As diferenças culturais, étnicas e religiosas são de grande importância nesta forma de pensar baseada na combinação entre esporte, cultura e meio ambiente. Tudo contribuindo para o desenvolvimento do indivíduo de forma a fortalecer a compreensão e a união entre os povos.

Os Jogos Olímpicos são o símbolo maior dessa visão de mundo. Além de cumprir a função de reunir diferentes nações com uma proposta de paz, eles devem estimular nos competidores um comportamento íntegro, ético e respeitoso.

Nos ideais do Olimpismo se destacam a educação por intermédio do esporte, a busca pela excelência, a promoção do espírito coletivo e do intercâmbio cultural. Baseado nesses princípios, surge o Movimento Olímpico. Um dos seus objetivos centrais é oferecer aos jovens de todo o mundo a possibilidade de alcançar o alto nível esportivo,sem qualquer tipo de discriminação.

Adotar como princípios a amizade, a compreensão mútua, a igualdade, a solidariedade e o “fair play” (jogo limpo) é o caminho do Olimpismo. A ideia é que a prática diária desses valores torne-se um hábito, ultrapassando as fronteiras das arenas esportivas e influenciando e transformando a vida de todos.

Jogos Olímpicos da Juventude

Criado em 2010 pelo Comitê Olímpico Internacional, os Jogos Olímpicos da Juventude acontecem a cada quatro anos e sua última edição foi realizada na cidade de Buenos Aires em 2018. Tem como objetivo oferecer aos jovens atletas uma introdução ao Olimpismo, inovando na educação e no debate dos valores mais nobres do esporte. Seus competidores têm entre 15 e 18 anos, incluindo representantes de mais de 200 países.

A participação dos jovens vai muito além da disputa por uma medalha. O evento inclui atividades voltadas para educação e cultura, tendo três áreas como foco: proteção dos esportistas em desenvolvimento, trabalho no desempenho e assistência aos atletas fora do esporte. Por ter um enfoque mais amplo, há também palestras sobre questões como violência, sexualidade e igualdade. Inclusive, uma marca importante da edição argentina foi a igualdade de gênero: pela primeira vez na história, uma competição olímpica teve o mesmo número de homens e mulheres.

Além das trocas culturais, outra característica das Olimpíadas da Juventude é a existência de provas mistas (homens e mulheres competindo juntos) e até mesmo permitir equipes formadas por competidores de nacionalidades diferentes.

Costuma também ser palco para testar novas modalidades de esportes que ainda não são parte da agenda olímpica tradicional. O basquete 3×3 e a escalada, que fazem sua estreia em Tóquio 2020, foram testados primeiro nos Jogos da Juventude.

Esporte como agente de inclusão

Além da promoção da saúde e desenvolvimento físico, o esporte também pode ser um grande aliado no combate ao bullying e à valorização da diversidade.

Durante a preparação dos Jogos Olímpicos Rio 2016, o Comitê Olímpico do Brasil criou o programa Transforma. O objetivo é, através de diferentes projetos, contribuir para a formação integral do ser humano, atuando em escolas por meio da educação olímpica.

Segundo os relatos dos educadores do Transforma, as modalidades que mais chamaram a atenção das crianças e adolescentes foram as paralímpicas. Um exemplo é a prática de esportes originalmente inventados para pessoas com deficiência visual como o goalball e o futebol de 5. Se acertar a bola no gol parece um desafio simples para quem enxerga, os estudantes são convidados a jogar vendados e com seus movimentos limitados. Assim eles experimentam, de forma lúdica, como é estar no lugar do outro.

Os princípios do Olimpismo podem ser estimulados por atividades divertidas e experimentações esportivas, como gincanas criativas e até mesmo de depoimentos de atletas reais sobre suas dificuldades e superação. Vivenciar as Olimpíadas no contexto educacional também proporciona o desenvolvimento de preceitos éticos e de boa convivência, que contribuem para a construção de uma sociedade mais justa e pacífica.

Gostou do conteúdo? Então não perca tempo e compartilhe com os seus amigos!

Call To Action

Detalhe do Call To Action para Download do Material

Deixe uma resposta

Copy link
Powered by Social Snap

Seu futuro começa aqui

Cadastre-se já e não perca nenhuma dica!